Simpatia de AnaVitória, hits e declaração de amor de Lulu Santos, canções de Paulo Miklos e fúria de Pitty marcam 2º dia de FIB

Shows no palco principal começaram às 21h e terminaram às 4h, em Vitória da Conquista.

G1 Bahia

25/08/2018

O segundo dia do Festival de Inverno 2018, realizado de sexta (24) a domingo (26), no Parque Teopompo de Almeida, em Vitória da Conquista, sudoeste da Bahia, começou às 21h deste sábado (25), com o o show do duo AnaVitória, seguido de Paulo Miklos, Lulu Santos e Pitty.


Anavitória


Com canções na boca do povo, as meninas esbanjaram simpatia e divertiram o público durante toda a apresentação, enquanto também se divertiam no show.

Antes de subir no palco, as meninas receberam algumas fãs no camarim e ganharam um quadro com um retrato da dupla, pintado por uma das fãs.

O duo, que faz uma mescla de sertanejo e MPB, com letras românticas, mostrou total domínio sobre o palco e comandou o público como se tivessem décadas de experiência. A plateia obedecia a cada comanda da dupla para cantar e bater palma, como foi o caso da canção "Trevo", um dos momentos mais altos do show.



No palco, as meninas parecem se divertir genuinamente. Elas dançam, sorriem, trocam olhares uma com a outra, cientes de que só elas sabem o turbilhão que passaram, desde que estouraram, em 2015.

Após a canção, Ana Clara, que estava vestida com uma saia e um top brancos, novamente foi ao microfone e falou sobre o frio que faz em Conquista.


"Meu Deus do ceu, é Festival de Inverno, mas eu me vesti pro Festival de Verão. Eu me f... Vocês vão ter que me esquentar, viu?".


Outro ponto alto do show foi quando a dupla cantou "Clareiamô", uma parceria das meninas com o cantor baiano Saulo Fernandes. Elas ainda cantaram "Ai, Amor", "Nós" e "Agora Eu Quero ir", que foi cantada por todo o público presente do Parque Teopompo de Almeida.


As meninas saíram do palco rapidamente e retornaram para a última canção: "Dê um Rolê", do grupo Novos Baianos, e gravada para a novela Rock Story, da TV Globo, por por Pitty, que também se apresentou neste sábado, no FIB.


Paulo Miklos


O ex-Titãs Paulo Miklos iniciou o show às 22h45 deste sábado (25), com a canção "A Lei Desse Troço", presente no seu mais novo disco solo, "A Gente Mora no Agora".

O cantor fez um mix de canções de seu trabalho solo com músicas dos Titãs, numa apresentação focada nas canções. Sem super-produções, sem encher o público de pedidos para que cantem ou dancem, Miklos, como o cantor e compositor que é, apresenta as músicas, e elas fazem o trabalho.


A primeira titânica que ele tirou da cartola foi o clássico "Flores", em uma versão com clima que se aproxima do que vem fazendo atualmente, numa pegada rock/pop/folk. A plateia cantou do início ao fim.

Outra canção do "A Gente Mora no Agora" que Miklos apresentou no FIB 2018 foi "Vigia", uma parceria dele com o baiano Russo Passapusso, vocalista da banda Baiana System. Em seguida, Miklos citou outro artista baiano.


"Semana passada fez 29 anos que a gente perdeu o Maluco Beleza, então eu gostaria de fazer uma coisa: 'Toca Raul'."


Foi a deixa para o clássico "Aluga-Se", música de Raul Seixas que também foi regravada pelos Titãs. A canção esquentou o público presente no Parque Teopompo de Almeida, que cantou e pulou como se não houvesse amanhã.


Dos Titãs, ele ainda mandou "Comida", Pra Dizer Adeus", "Vossa Excelência", "Sonífera Ilha", "É Preciso Saber Viver" [de Roberto e Erasmo Carlos, mas regravada pelo grupo paulistano], "Lugar Nenhum" e "Bichos Escrotos". As duas últimas foram as responsáveis por encerrar a apresentação.


Lulu Santos


Lulu Santos foi a terceira atração deste sábado (25) de Festival de Inverno de Vitória da Conquiosta, cidade do sudoeste da Bahia. O cantor e compositor subiu ao palco por volta das 0h25 e fez um show dançante, cheio de energia, com seu pop rock recheado de hits.

Antes do show, Lulu conversou com a imprensa e lembrou da última vez que esteve no FIB, em 2016. “Com aquela garoazinha que dava um efeito incrível lá do palco, sobre a plateia. E hoje, a noite tá linda. Vai ser lindo”, disse.

O artista já abriu a apresentação com um clássico: "Tempos Modernos", cantado em coro pelo público que encheu a pista do parque Teopompo de Almeida.


Showman nato, Lulu fez uma apresentação calcada em seus maiores hits. Em um início apoteótico, ele emendou "Adivinha o Que", slogo após "Tempos Modernos". A ordem foi não deixar o público respirar um minuto sequer.

O trabalho de Lulu é sinônimo de hinos do pop nacional. E seguindo esse raciocínio, ele despejou mais hits sobre o público: "Um Certo Alguém" e "O Último Romântico" incendiaram o Parque Teopompo de Almeida.


Depois, Lulu apresentou a canção nova "Orulho e Preconceito", que ele compôs para o namorado Clebsom Teixeira, baiano da cidade de Guanambi.


"Eu fiz para o meu amor, que está aqui em Vitória da Conquista. E que por mim vai estar sempre".


E tome mais hit: "Tudo Bem", "A Cura", "Apenas Mais Uma de Amor", "Um pro Outro", "Tudo Azul", "Sábado à Noite", "Aviso aos Navegantes", "Assim Caminha a Humanidade". São quase 40 anos de sucessos que fazem parte do inconsciente coletivo brasileiro. Mesmo quem acha que não conhce o trabalho de Lulu consegue cantar as canções. E o público do FIB fez questão de cantar o mais alto que pôde.

Na reta final da apresentação, é claro que Lulu tirou da manga mais sucessos: "Sereia", do álbum "Eu e Memê, Memê e Eu", lançado em 1995, foi emendada a "De Repetente, California" e "Como Uma Onda". O público, como fez durante o show interior, cantou junto.


Para encerrar com chave de ouro, os hinos "Toda Forma de Amor" e "Descobridor dos Sete Mares", incendiaram mais uma vez o segundo dia de FIB 2018. Antes de deixar o palco, Lulu se despediu do público.


"Muito obrigado pelo carinho, pela alegria, pelas palmas. Bom fim de semana para vocês. Eu me chamo Lu[ís Maurício, mais conhecido como Lulu".


Pitty


O último show deste sábado (25) de Festival de Inverno de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, ficou a cargo da baiana Pitty. Às 2h30 da manhã, ela subiu no palco com a canção "Admirável Chip Novo".

A multidão enloqueceu com a performance da cantora. Como esperado, Pitty derramou sobre o público seu som pesado, uma espécie de fúria melódica, que pulou e cantou sem parar. Assim como os outros artistas da noite, Pitty apostou em um show de sucessos da carreira.


Mas nem só de som pesado vive a Pitty. Em um momento acústico, ela tocou os sucessos "Teto de Vidro", um dos primeiros hits dela, de 2003. Depois ela homenageou Raul Seixas, com "Metamorfose Ambulante", e ainda deu tempo da música "Dançando", do projeto Agridoce, de Pitty e do guitarrista dela, Martin.


De volta à eletricidade, a balada pesada "Equalize" fez o publico cantar junto com a artista durante toda a música. De novo, Pitty conversou com os fãs.


"Vocês estão a fim de cantar com a gente mais um poquinho?".

O público aceitou o desafio e cantou "Me Adora" a plenos pulmões. Em determinada parte da canção, a banda parou e deixou o público cantar sozinho, em um dos momentos mais emocionantes do show.


Para finalizar de forma apoteótica, por volta das 3h30, a canção "Máscara" não deixou pedra sobre pedra. Enquanto a banda estava se despedindo, o público pediu em coro pela música "Serpente". Pitty atendeu prontamente.


Com um show enérgico e pesado, Pitty provou porque é o grande nome do rock nacional a surgir neste século. E pela reação, o público do FIB 2018 concorda.



Público canta junto com as meninas do duo AnaVitória todas as músicas — Foto: Laécio Larceda 






Miklos faz show mesclando sucessos dele e de outros artistas — Foto: Laécio Larceda 






Lulu Santos no Festival de Inverno Bahia — Foto: Laécio Lacerda 






Pitty no Festival de Inverno Bahia — Foto: Laécio Lacerda